JI-PARANÁ: PC CONCLUI INQUÉRITO

Polícia Civil de Ji-Paraná conclui inquérito sobre a morte do Sargento Gatti

Na quarta-feira (17/06) a Polícia Civil de Ji-Paraná/RO concluiu o inquérito policial que apurava a morte do Sargento Gatti, ocorrido em março deste ano. O Delegado Cristiano Mattos, Titular da Delegacia de Homicídios daquele município, informou que o crime foi motivado pelo roubo de um cordão de ouro que a vítima usava.

Logo após o conhecimento dos fatos uma equipe de policiais da 2ª DP, comandados pelo Delegado Cristiano Mattos, iniciou as diligências com o intuito de identificar e prender os suspeitos.

No início das investigações levantou-se que um elemento conhecido pela alcunha de ‘Cerejeira’ estava falando a várias pessoas que havia matado o Sargento Gatti, o mesmo é considerado um elemento de alta periculosidade. Uns dois meses após o crime a polícia cumpriu um mandado de prisão em desfavor do indigitado.

Em continuidade às investigações observou-se que os dados levantados pelos investigadores e pela perícia criminal não batiam com as informações prestadas por ‘Cerejeira’. Constatou-se, então, que o mesmo não tinha envolvimento com o crime em tela.

Na sequência levantou-se que o suspeito Eduardo, conhecido como ‘Zóio’, que estava cumprindo pena por Roubo no Regime Semi-Aberto e que, frequentemente, passava em frente à casa do Sargento, observou que este usava um cordão de ouro. Então, planejou por duas vezes roubá-lo cordão da vítima, mas como estava com um revólver sem munição desistiu de seu intento.

No dia crime, vários criminosos se reuniram numa casa localizada no Bairro Urupá e em determinado momento, Eduardo comentou com o suspeito Maurício Genovês seus planos de roubar o cordão do sargento. Consta que, até então, eles não sabiam que a vítima tratava-se de um policial militar.

Eduardo mostrou a Maurício onde era a residência de Gatti. Ato contínuo, Maurício em companhia de Cleiton se dirigiu à residência do Sargento, encontrando-o em frente à sua casa com alguns amigos.

Logo que chegou desceu da moto e anunciou o assalto, as testemunhas fugiram correndo e o sargento reagiu com uma cadeira de plástico, mas, infelizmente, ao ir pra cima do suspeito foi alvejado com alguns tiros, vindo a óbito. Após os fatos, a dupla evadiu-se do local e voltou para o churrasco, onde Maurício retirou a camiseta vermelha que usava e a queimou na churrasqueira.

Após o levantamento de indícios suficientes o Delegado Cristiano Mattos representou pela prisão de Maurício e Eduardo, que foi de pronto autorizada pelo Juízo competente e cumprida pela Polícia Civil.

O inquérito de Latrocínio (roubo seguido de morte), que apura a morte do Sargento será encaminhado ao Ministério Público para apreciação do promotor de justiça para eventual oferecimento da denúncia e instauração de processo crime.

Fonte: ASCOM/PC/RO