PC CONCLUI INQUÉRITO POLICIAL

Polícia Civil conclui inquérito que investiga quadrilha do “Cearazinho”

A delegacia de Repressão as Ações Criminosas Organizadas (Draco), da Polícia Civil de Rondônia e a Secretaria do Estado de Segurança Defesa e Cidadania (SESDEC) apresentou nesta terça-feira (03), durante coletiva de imprensa na Direção Geral de Polícia Civil, a conclusão do inquérito da quadrilha que atuava no Estado na modalidade de roubo/furto denominada “Novo Cangaço”. Os crimes iniciaram em 2012.

Segundo consta do inquérito, o bando era liderado pelo assaltante José Hamilton, vulgo “Cearazinho”, encontrado morto recentemente na zona rural do estado do Ceará, após entrar em confronto com equipes policiais.

De acordo com o Secretário de Segurança Pública, Antônio Carlos dos Reis cumpria a Polícia dar uma resposta efetiva a esses eventos que estavam ocorrendo em Rondônia. Para isso houve uma necessidade em se fazer uma integração com a polícia dos outros estados sendo feita a troca de informações e monitoramento do desenvolvimento dessas organizações.

“Diante do trabalho incessante conseguimos localizar onde “Cearazinho” estava escondido. E com o apoio da polícia do Pará onde ele tinha mandados prontos encaminhamos a informação da sua localização,no momento da abordagem ele reagiu e acabou morrendo. De certa forma colocamos um ponto final nos inquéritos abertos, principalmente no de Jacy Paraná, mas individualizaremos a participação de cada um dos integrantes e aplicaremos a lei devida para aqueles que ainda estão vivos”.

O diretor Geral de Polícia Civil, delegado Pedro Mancebo, destacou que os roubos eram focados no Norte do país, onde a quadrilha já vitimou em Rondônia, Acre, Tocantins Pará e Amazonas. Mas, de acordo com as investigações o grupo também cometeu crimes em Mato Grosso, e no estado do Ceará. Uma das ações orquestrada pelo bando, culminou na morte do Sargento da Polícia Militar, Silvério Alves Feitosa, no Distrito de Jacy Paraná, durante a invasão do quartel da polícia.

“Em regra o bando agia de forma agressiva, geralmente com artilharia pesada, e mantendo reféns como escudo humano para ter mais força. Outra característica era sempre atuar em cidade pequenas e enfrentando as forças de segurança.”

CRIMES

Ainda em 2012 registra-se que a quadrilha seguiu para Marcelância – MT onde parte do grupo foi morto durante confronto com a polícia. Os criminosos foram identificados como Valdir José dos Reis, conhecido como “Veinho”, de Rondônia, Matuzalém Martins da Silva, Cícero Fernandes Santiago, “Bombado”, e Clóvis da Silva Veiga.

No ano de 2014, em cumprimento a um mandado de prisão expedido pelo Juízo das Execuções Penais de Porto Velho/RO, “CEARAZINHO” foi preso, por policiais da Delegacia Especializada em repressão a Furtos, Roubos, Extorsões, Sequestros, Estelionatos e outras fraudes – DERFRESEF (“Patrimônio”) e da Gerência de Estratégias e Inteligência – GEI/SESDEC, no estado do Pará.

Em janeiro de 2015, “CEARAZINHO” conseguiu fugir, juntamente com outros dois detentos, da Penitenciária de Segurança Máxima José Mário Alves da Silva, o “Urso Branco”.Registra-se, em fevereiro deste ano, portanto um mês após sua fuga, a agência bancária do Banco da Amazônia, cidade de Rurópolis, região sudoeste do Pará, foi assaltada por um grupo de criminoso com mesmo “modus operandi”.

Na fuga, os criminosos usaram três automóveis, sendo duas camionetes e um terceiro carro que foi incendiado. Um dos veículos é da cidade de Porto Velho – RO. A polícia paraense também imputa ao bando de “ CEARAZINHO” pelo menos dois roubos a agências bancárias, do Banco da Amazônia e do Banco do Brasil, em junho deste ano, no município de Uruará-PA.

INVESTIGAÇÕES

Em meados de 2015, a DRACO – PC/RO, recebeu informações que um grupo de criminosos ligados a “CEARAZINHO” estava atuando na capital. Foram identificados, além do “CEARAZINHO”, os criminosos Adilson Siderval de Souza, vulgo “PI”, Charles Dione Oliveira Alves, vulgo “Dioninho”, Mario Luiz Teixeira de Oliveira, vulgo “Lu”, Nunis Azevedo Nascimento e Rodolfo Diogo Santos Alves Rodrigues.

“PI”, “Dioninho”, Mario Luiz e Nunis já tinham ligação comprovada com o líder criminoso, tendo participado de ações criminosas anteriores, tais como o roubo a uma joalheria no município de Ariquemes, em 2011, e o assalto a um carro forte na BR 319 (Porto Velho-Humaitá), em 2013. Esses vínculos pretéritos reforçaram os indícios que “CEARAZINHO” seria realmente o elo comum entre os criminosos.

Segundo levantamento preliminar conforme o delegado Marcos Vinícius, alguns integrantes desse grupo seriam especializados no tráfico de drogas, com a finalidade de utilizar os valores amealhados no financiamento de roubos, principalmente contra instituições financeiras. Ainda, já nesta fase, existia a notícia de que o bando se articulava para um ataque a carro forte na região de Porto Velho, nos moldes da ação de “CEARAZINHO”, no ano de 2013, na BR 319, que liga Porto Velho a Humaitá-AM.

“Em meio às investigações, foi descoberto um plano do grupo para roubar um empresário em Porto Velho. Em 04 de outubro último a quadrilha praticou o crime de roubo, no Ramal Maravilha, margem esquerda do rio Madeira, contra Manoel Guerreiro de Freitas e Henrique Marques Barbosa, quando fora subtraído das vítimas mais de R$ 2.000,00 e mais de 200 gramas de ouro”,explicou.

Após a empreitada, policias militares acionados para acompanhar a situação realizaram a abordagem e conseguiram prender em flagrante delito Nunes e Marcio Pereira de Souza. Após intensa troca de tiros com os policiais, Rodolfo e Alisson Rodrigues empreenderam fuga na mata, com a res furtiva e as armas de fogo.

Em relação aos criminosos que escaparam do flagrante, bem como dos outros membros do grupo criminoso, as autoridades policiais da DRACO, já em sede de relatório final, não descartam representações pelas respectivas prisões. “ Parte do bando já está cumprindo pena na capital e outros já foram identificados e representados a prisão preventiva ”, disse a delegada de polícia Ingrid Brandão.

Fonte
Texto: Márcia Martins
Secom – Governo de Rondônia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *