VILHENA: OPERAÇÃO ESTADO PARALELO

Polícia Civil de Vilhena desencadeia Operação “Estado Paralelo”

Polícia Civil em Vilhena desarticula rede estadual de tráfico de drogas ligada a chefes de organização criminosa no Estado  num total de treze investigados, foram cumpridas dez prisões preventivas e seis mandados de busca e apreensão, sendo dois integrantes menores de idade e um não localizado.

Além de traficar drogas e planejarem rebeliões, foi constatado na investigação que os envolvidos intermediaram contatos entre integrantes da organização criminosa das cidades de Maceió e Macapá com Luiz Fernando da Costa, o “fernandinho beira-mar”, atualmente em cumprimento de pena no presídio federal em Porto Velho, apontado como líder da organização criminosa no país, atualmente em cumprimento de pena no presídio federal, na capital do Estado.

Durante os três meses de investigação, foram apreendidos mais de 52 quilos de droga transportados pela organização. Alguns dos investigados já foram presos em flagrante no decorrer da apuração. Durante os cumprimentos dos mandados de busca e apreensão, foram localizadas drogas em três residências, entre maconha e cocaína, além de balanças de precisão, contabilidade da venda de drogas na cidadae de Vilhena e, ainda, estatuto da organização criminosa.

A INVESTIGAÇÃO

Iniciada para identificar e desarticular rede de tráfico de drogas atuantes em Vilhena-RO, o setor de inteligência da Delegacia Regional da Polícia Civil chegou além. Descobriu-se que um dos principais traficantes da cidade trata-se do preso Luiz Carlos Bandeira Rodrigues, conhecido como “da roça”, condenado a mais de 14 anos de prisão por tráfico e associação para o tráfico,  apontado  como liderança dentro da organização criminosa no Estado de Rondônia portador da sigla “DR.CV.RO.RJ.RL” , em alusão à sua participação dentro da hierarquia da organização. Em cumprimento de pena na cidade de Vilhena, comprovadamente montou uma rede de tráfico de drogas na cidade.

Essa rede local de tráfico, intensa em Vilhena, utiliza também mulheres e ao menos dois menores de idade para vender tanto maconha, vinda do Mato Grosso do Sul, como um tipo de cocaína que denominam “peruana”, de teor puro e que vale no mercado ilícito cerca de R$50,00 (cinquenta reais) o grama, a qual segundo demonstram a própria investigação, já se disseminou dos  traficantes aos usuários da droga no município de  Vilhena.

Durante o prazo da investigação, dois menores de idade chegaram a ser apreendidos na cidade vendendo droga recebida diretamente da organização, além de cerca de 50 quilos de maconha que foram apreendidos entrando no Estado de Rondônia, em tabletes marcados com a sigla da organização apontada na investigação.

O principal sócio de Luiz Carlos “da roça” no tráfico foi identificado como sendo um apenado do Urso Branco em Porto Velho, Pedro Vieira dos Santos, o “matemático”,  condenado a 19 anos de prisão por tráfico e associação para o tráfico, que também passa a cumprir prisão preventiva vinculada a essa investigação, a qual aponta crimes de tráfico de drogas e associação para o tráfico, cujas penas podem ultrapassar quarenta e um anos de prisão.

A atuação dessa rede de tráfico e dos líderes, que contam com motoristas, mulheres e menores de idade como distribuidores, tem uma finalidade clara: Construir um paiol de armas para realizarem roubos a empresas e instituições financeiras na cidade e demais regiões do Estado, ampliar a rede tráfico de drogas e da organização criminosa  no Estado de Rondônia e em contado com demais Estados da Federação, realizando “batismos” e se fortalecendo,  por isso o nome dado para a  operação,“EstadoParalelo”.

Além de Luiz Carlos Bandeira, o “da roça” (30 anos) e “Matemático” (21 anos), foram identificados e contra si tiveram expedidos mandados de prisão preventiva: Lucília C. S (40 anos), Nayara P.F.P (19 anos),  Maria C. M. vulgo “Baronesa” (37 anos), Márcio R. E (22 anos), Celso V. P. N Vulgo “coala” (18 anos),  Wanda M.S (40 anos), Maraíza A.M (31 anos), além dos motoristas Rodrigo M.M.R (24 anos), não localizado durante a operação e Lucas do S.P (23 anos), responsáveis por transportar droga e arma de outras regiões,  dentro e fora deste Estado, além da identificação de dois menores de idade, cuja movimentação é intensa no tráfico de drogas na cidade de Vilhena, mas em razão da legislação referente a menor de idade, suas iniciais não serão divulgadas.

Essa rede de traficantes do município de Vilhena, agora desmantelada pela Polícia Civil, num trabalho de meses e de muitas informações acumuladas que ainda serão trabalhadas para continuidade do combate da criminalidade nesta cidade e no Estado de Rondônia, contou com cinco delegados da Delegacia Regional da Polícia Civil em Vilhena, com extensa análise de dados pelos setores de Inteligência e Investigação da Polícia Civil do município, contando a deflagração da operação com 25 agentes e escrivães policiais civis e 5 delegados dos municípios de Vilhena, Colorado do Oeste e Cerejeiras, cujos mandados foram deferidos pelo Juízo de Vilhena.

Fonte: ASCOM/PC/RO