NOVA BRASILÂNDIA: PC DEFLAGRA OPERAÇÃO “X9”

Polícia Civil de Nova Brasilândia deflagra operação “X9” e prende 08 pessoas

Na sexta-feira (23/05) a Polícia Civil de Nova Brasilândia d’Oeste deu continuidade à operação “X9” ocorrida em 2013. Na época a operação foi iniciada a partir de denúncias anônimas de populares revoltados com o aliciamento de seus filhos no uso de drogas, desde então a 1ª Delegacia daquele município vem desenvolvendo várias ações visando coibir o tráfico de entorpecentes na região.
Na manhã daquela sexta-feira (23) a 1ª DP daquele município em conjunto com as delegacias de Alta Floresta D’Oeste, Santa Luzia D’Oeste, São Miguel Do Guaporé e Rolim de Moura deram cumprimento a 07 (sete) mandados de busca domiciliar e 05 (cinco) mandados de prisão. Aos criminosos são imputados o envolvimento em 3 (três) homicídios, tráfico de entorpecentes e porte ilegal de arma.

Nas buscas e prisões o trabalho da Polícia Civil incidiu em um resultado de 100% de aproveitamento, concluindo com as prisões de Josué F., vulgo “Coelho”, Gilberto N., vulgo “Beto”, Leandro F., Leonaldo L., Admilson G., vulgo “Duda”, Fábio F., Edson V., vulgo “Zoim” e  Aelton V. Dentre os acusados 2 (dois) já estavam cumprindo pena por outros crimes, sendo notificados da nova imputação.

Nas residências foram apreendidas várias armas de fogo, munições, balança de precisão, entorpecentes e objetos de procedência ilícita. Constatando-se: 10(dez) espingardas de calibre diversos; 01(uma) garrucha cal 22; 02(dois) revólveres municiados cal 38; 65 munições, deflagradas e intactas; 01(uma) balança de precisão com capacidade para 1 kg; substância entorpecente, cocaína; 03(três) pen-drives; 04(quatro) galões de veneno Glifosato Atanor; 1(uma) corrente cor dourada com pingente e 1(uma) pulseira.

Os acusados foram encaminhados à Delegacia de Nova Brasilândia para os procedimentos cabíveis. A Polícia Civil de agradece a colaboração de todas as equipes e reafirma seu papel na busca de reprimir os crimes que acomete a cidade Brasilândence.

Texto: Rosilene F. de Oliveira
Fonte: ASCOM/PC/RO

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *