Capacitação da Acadepol garante disciplina de “Prática Operacional” para policiais do IICC

Os servidores do Instituto de Identificação Civil e Criminal “Engrácia da Costa Francisco” (IICC) da Polícia Civil do Estado de Rondônia iniciaram no mês passado a capacitação de “Aperfeiçoamento para Profissionais de Perícia Papilóscopica em Local de Crime”. O curso é realizado e coordenado pela Academia de Polícia (Acadepol) e tem o objetivo de aperfeiçoar, atualizar e nivelar o conhecimento técnico-científico dos servidores Datiloscopistas Policiais que realizam Perícias Papiloscópicas em local de crime e Laboratório.  Vale ressaltar que durante a capacitação, estão programadas, aulas teóricas específicas ao cargo, assim como, aulas de Armamento e Tiro, Defesa Pessoal, Método Giraldi, Direção Defensiva e Práticas Operacionais, esta última, coordenada pelos policiais civis e instrutores Ricardo Santos, Paulo Valente, Gentil Junior, Marcio Frank, Duxlei Luz e Henrique Gadelha.

O instrutor e coordenador da disciplina prática operacional, Ricardo dos Santos, revela que esta disciplina visa garantir habilidades aos policiais durante uma atuação, seja em grandes operações ou em uma simples abordagem. “Um policial treinado, atualizado, tem mais chances de garantir a sua própria vida, a do seu colega e de pessoas que estão ao seu redor precisando de segurança, por isso a importância da prática operacional para o policial”, explica o professor Ricardo.

Para o policial civil e instrutor na Acadepol, Paulo Valente, “há uma necessidade na periodicidade de instruções inerentes à atividade policial, principalmente no que tange a prática operacional. Entre as instruções exercidas pelo grupo, há o AIKIDO, arte marcial japonesa que proporciona aplicações de técnicas onde é possível defender-se de vários tipos de ataques como também de imobilizações táticas que visam preservar a integridade física tanto do agressor como do policial”, explica o instrutor Paulo.

O policial civil e instrutor, Gentil Junior, disse que o conhecimento técnico dentro da área de segurança pública favorece o próprio policial que estará sempre apto para os desafios do cotidiano. “Dentro da disciplina, atuo com a arte marcial ‘MUAYTHAI’,  que utiliza diversas partes do corpo para se defender e atacar, ao mesmo tempo em que estimula o condicionamento físico, atenção, percepção e movimentos rápidos”, comenta o Instrutor.

Campeão Mundial de “Jiu-Jítsu”, policial civil e instrutor da disciplina de prática operacional, Márcio Frank, ressalta a importância do policial se qualificar para garantir a sua própria segurança e de outrem. “Atua com técnicas que atende a defesa pessoal e o ataque, que tira o policial de um tipo de agressão, utilizando-se das possibilidades que a arte marcial ‘Jiu-Jítsu’ propõe”, disse Márcio.

A lutadora de “Jiu-Jítsu” e policial civil, Duxlei Luz, explica que a sua experiência com a modalidade de luta já facilitou seu trabalho em vários desafios impostos pela profissão. “As técnicas utilizadas na arte marcial ‘Jiu-Jítsu’, possibilitou uma maior autonomia contra infratores que tentaram agir contra minha pessoa, foram surpreendidos”, explica a Policial.

Henrique Gadelha, policial civil e professor, revela que o conteúdo da prática operacional é importante pelas possibilidades de segurança que a disciplina propõe. “Quem exerce a profissão policial, precisa estar atento sempre, pois em uma situação real de conflito, a preparação do policial diminuirá o risco de ser atingido ou lesionado, assim como, aumenta a possibilidade de garantir a segurança de outras pessoas”, finaliza o Policial.