Polícia Civil deflagra operação “MERX” com apoio da Polícia Militar em São Francisco do Guaporé

A Polícia Civil do Estado de Rondônia, em conjunto com o Ministério Público da Comarca de São Francisco do Guaporé e Polícia Militar deflagraram na última quinta-feira (27/07), a operação denominada “MERX”. De acordo com informações policiais, o objetivo é realizar o cumprimento de mandados de prisões preventivas, busca e apreensão em desfavor de indivíduos suspeitos de envolvimento com tráfico de drogas. Durante a ação policial foram presos o nacional Luiz Gama Filho – vulgo (Secão), Ezival Soares de Souza – O FI e os irmãos Alcemir Teixeira e Amilton Teixeira.

A equipe policial apreendeu ainda vários objetos possivelmente relacionados com a prática criminosa dos acusados e a apreensão de aproximada 700g de substância de entorpecente em residências que foram revistadas.

Informações do Delegado da Polícia Civil e Coordenador da Operação “MERX” em São Francisco do Guaporé, Leomar Gonçalves, a Operação Policial teve como objetivo desbaratar e reprimir o comércio de drogas ilícitas no município. “O Tráfico de Drogas é o motivador de diversos outros crimes na região, neste caso, estamos combatendo a comercialização de entorpecentes que irá refletir na diminuição de furtos e roubos na região”, explica o Delegado.

De acordo com a Polícia Civil, as investigações iniciaram em novembro de 2016 e perduraram até julho de 2017. É importante ressaltar a participação e apoio da Delegacia Regional, do Serviço de Inteligência da Polícia Civil, Ministério Público, Judiciário e Polícia Militar, pois a efetivação desta operação só foi possível com a colaboração de todas as Instituições citadas acima.

Dois dos investigados foram presos em flagrante e indiciados pelo crime do artigo 33 da Lei 11.343/2006 – Tráfico de Drogas, pois estes, estavam na posse de aproximadamente 700 gramas de pasta base de cocaína, além de apetrechos utilizados para comercialização do entorpecente.

Os acusados foram conduzidos até a Delegacia para os procedimentos legais e, em seguida, encaminhados ao Sistema Penitenciário local, onde aguardam a manifestação da Justiça.