Policial Civil de RO atua na prisão de assassino que bebeu sangue de vítima no Mato Grosso

Amauri Ferreira do Amaral, conhecido como “Maníaco da machadinha” ou “Machadinha”, foi preso no fim da tarde da última terça-feira (08/08), em Pimenta Bueno. Considerado de alta periculosidade, ele ficou conhecido nos anos 2000, com pouco mais de 20 anos, após aterrorizar a cidade de Juína (MT). Segundo a denúncia, quatro pessoas foram mortas de forma covarde e violenta na cidade, todas a golpes de machado, por isso o apelido.

Em 2001, um casal de jovens foi morto violentamente a golpes de machado no bairro Palmiteira. O crime chocou a população pela forma absurda que as vítimas foram assassinadas. Pela madrugada, o acusado invadiu a residência do casal e praticou o crime.

No ano seguinte, quem sofreu com a violência de “Machadinha”, foi a professora Janete, moradora do bairro São José Operário. O crime repercutiu e houve uma comoção na cidade por ser tratar de uma mulher querida na comunidade. O mandante deste crime segundo o Ministério Público Estadual foi seu marido que foi preso, julgado e condenado. O assassino (Amauri) acabou sendo preso, mas fugiu da cadeia pública junto com demais presos e nunca mais foi visto. Havia rumores de que ele teria sido morto.

Mesmo após a fuga, as investigações evoluíram e os inquéritos policiais de ambos os crimes foram concluídos, na época pelo Delegado da Polícia Civil Alexandre Morais Franco.

Mas na terça-feira (08/08), a Polícia Judiciária Civil de Juína com apoio do Agente de Polícia Civil, Israel dos Santos, de Pimenta Bueno, interior de Rondônia, prendeu Amauri Ferreira do Amaral, de 41 anos. Ele se apresentava como Valdenir Duarte da Silva, e tinha dois mandados de prisão expedidos pela 3º vara criminal e civil de Juína.

“Machadinha” foi condenado há 33 anos de reclusão pelo duplo homicídio no bairro Palmiteira e tem outra condenação pelo assassinato da professora Janete. Em 2004, quando Amauri foi preso o repórter Marcos Di Perez da TV Band, que iniciava sua trajetória na mídia televisiva (TV CNT), entrevistou o acusado e ele confessou os crimes com extrema frieza e riqueza de detalhes. Em um trecho da entrevista, ele disse que tinha bebido o sangue de uma de suas vítimas.”Me deu vontade de beber, depois me deu uma ‘coisa’ ruim”, disse Amauri.

O foragido deverá ser transferido para o CDP, em Juína, para cumprir sua pena.

Fonte: Rondoniagora